sexta-feira, 4 de maio de 2007

és Tu, seja lá quem esse for

Sai cedo de casa para ir ver o cortejo. Achei que espairecer, apanhar ar me faria bem.. Achei uma maneira simples de não pensar em ti e pensar no modo como - agora - vejo a vida, o amor... Uma conversa para depois, se ainda não estiveres cansado de me ouvir.


Passeava por volta das 21:30 pelo fórum, tencionava tomar um café e ver algumas caras conhecidas. Tomei o dito café (lembrem-me de reclamar da próxima vez que me trouxerem TANTO café), com o meu habitual copo com (de?) água, passei-me um pouco pelas lojas e vi algumas caras conhecidas: a Mafalda, a moça da Bertrand que nunca soube o nome, a minha tia, e mais umas caras simpáticas de pessoas-antipáticas-que-faziam-de-conta-que-não-me-conheciam. Será por acharem o que tu sabes?

Bem não interessa. Andei por ali uma horita. Um andar triste de alguém que se sentia sozinho, de quem (de certo estupidamente errado) pensava que se comigo estivesses tudo seria diferente. As pessoas-antipáticas-que-faziam-de-conta-que-não-me-conheciam teriam sido ignoradas, e, mais importante, o triste (e cínico?!) "olá tudo bem?" sairia com um sorriso.

Merda. (Desculpem) Seria um sorriso. Naquele momento eu não andaria solitário. Mas seria o mesmo assim que me despedisse de ti... Ficava de novo com uma sensação de vazio, um bocado de mim deixava de estar, de novo, ali. Isto faz-me pensar que sei que vai ser sempre assim, pelo menos até eu sentir que a nossa amizade é suficientemente sólida, B., para eu me puder afastar e esquecer-te. Não, não te quero esquecer. Quero muito mais que isso: Quero-te para sempre. Mas... e apesar do "Nunca digas nunca" ou do "Desta água não beberei" acho que posso dizer que pelo menos num futuro próximo nada mais iremos ser do que bons amigos. Para mim (pelo menos): os melhores!



Desculpa se não devia falar de ti, desculpa se devia guardar isto para mim ou mesmo para uma nossa conversa, mas, aqui, publicamente, é o único sitio onde através de um romance, uma novela ou mesmo de um conto, posso ser eu ou inventar alguém para ser. Quem é este que vos escreve? Eu, um qualquer personagem de um livro do Frederico Lourenço ou do David Leavitt, ou um qualquer desabafo de um amigo?


Não sei... mas o destinatário, és Tu, seja lá quem esse for.




In any other world
You could tell the difference
And let it all unfurl
Into broken remenance

Smile like you mean it
And let youreself let go

Cos its all in the hands
Of a bitter bitter of man

Say goodbye to the world
You thought you lived in
Take a bow
Play the part
Of a lonely lonely heart
Say goodbye to the world
You thought you lived in
To the world you thought you lived in

I try to live alone
But lonely is so lonely
So human as I am
I had to give up my defences

So I smile and try to mean it
To make myself let go

Cos it's all in the hands
Of a bitter bitter man

Say goodbye to the world
You thought you lived in
Take a bow
Play the part
Of a lonely lonely heart
Say goodbye to the world
You thought you lived in
To the world you thought you lived in

Cos it's all in the hands
Of a bitter bitter man

Say goodbye to world
You thought you lived in
Take a bow
Play the part
Of a lonely lonely heart
Say goodbye
to the world you thought you lived in
to the world you thought you lived in
Say goodbye to the world you thought you lived in
Say goodbye to the world you thought you lived in
Say goodbye to the world you thought you lived in

In any other world
you could tell the difference [Mika - any other world]

5 comentários:

Sonia Neves disse...

Bem me pareceu que ontem o teu sorriso não brilhava tanto... Já o vi bem mais radioso!

Podia-te ter arrastado comigo para aquela confusão para te animares um bokadito :P
Força, amigo!
Beijos!

O que te vai na alma!! disse...

como ves agora a vida e o amor??
ate logo!!

Nuno disse...

Pois não sei bem o que dizer, não sou grande pessoa para ajudar nos problemas dos outros... Tenho medo de lhes arranjar mais... 'Vai aonde te leva o coração'...
Abraço

P.S.: O Mika é o maior!!! Grande cantor mesmo....

Martinha disse...

Não tenhas medo de tornar público algo como o que descreveste.
É um desabafo, e desabafar (nem que seja para um blog da net) faz bem, sobretudo à alma. Liberta, e tanto!

Adorava ter ido ver o meu texto... Mas a essa hora ainda estava em Fátima!

Beijinho Hugo, e obrigada por tudo *
;)

Chic-Insanne disse...

Nunca peças desculpa quando não o queres fazer realmente, deixa que esse desabafo ganhe asas ou pernas. Por vezes aquilo que temos cá dentro tem direito a ter vida própria mesmo que seja como o iogurte e tenha prazo de validade ...

Um abraço deste amigo e vizinho blogueiro www.tocaarodar.blogspot.com
André