segunda-feira, 28 de maio de 2007

Desejos e Ensejos - Cap. I - Conversas

Gabriel decide escrever um ciclo de estória: “Desejos e Ensejos”. Prometi-lhe que publicava os textos dele! Espero que gostem.




“O dia hoje começou com chuva. Dormi nu – não que tenha um corpo bonito de admirar e louvar como aqueles que apresentam a colecção Verão 2007 de calções de banho do El Corte Inglés, mas apeteceu-me. Asneira: Estou constipado! Agora, enquanto escrevo o sol brilha e espero por aqueles dois. Não sei se vou almoçar em minha casa ou não. Estão chateados, a Diana e o Tiago. Estavam ontem e lá resolveram as quezílias deles. Aqui em casa. Ao que parece chatearam-se de novo em casa dela. Eu não acho normal. Eu ter que almoçar fora ou não vai depender deles. Mas estou feliz – hoje vou tomar café à noite com o Diogo, a não ser que ele se tenha esquecido ou simplesmente se ele não quiser sair!



O Diogo é um amigo de longa data. Sim, um amigo cibernético (que palavra horrível!) mas um amigo. Não um amigo como os outros que podem ser escritos com A maiúsculo ou com todas as letras a grande e em bold! Decidi que era tempo de nos conhecermos e decidi convida-lo para um café. Acho que até que nos damos bem mas ainda não me decidi a esquecer Gonçalo e sei que só quando me sentir capaz de me segurar sozinho é que vou ser capaz de me contentar com amizade, nunca esquece-lo. Lição que aprendi com a (espécie) de relação que houve com a Sara: meses e meses e meses de soledade e mágoa.


Aproxima-se o momento em que o Diogo devia confirmar os planos para esta noite mas não me parece que vá… pelo menos o interesse não parece ser muito! Contenta-me saber que se não estiver com o Diogo tenho sempre o ensaio do Grupo de Teatro ou os planos com a Inês e o Pedro. Fui finalmente à costureira buscar as calças que lá estavam há duas ou três semanas por causa das bainhas embora soubesse que ainda não estavam prontas. Ia fazer pressão. Enquanto esperava o Gonçalo ligou-me e falamos um bocado, foi bom ouvir a voz dele de novo. Escusado será dizer que logo a seguir o Diogo se descartou com um compromisso de ultima hora.


Acabei por ir ao ensaio porque a Inês estava muito cansada e não quis sair e, também, íamos sair no dia a seguir. Muito bom, por sinal: os dotes culinários da Inês e o bolo da Su. Ah! Nesse dia tive também a grande conversa com o Gonçalo. Dissemos muita coisa, disse muita coisa, coisas que achei nunca ter força para te dizer. After all you are my friend! O problema.. o nosso problema, Gonçalo, é ficarmos por aqui e (aqui a culpa é bastante minha) conversar-mos muito sobre tudo e pouco sobre o que realmente deviamos.. Não sei... acho que sim... fala-me!”


3 comentários:

O que te vai na alma!! disse...

Digamos k esta de C.A.R. kem sabe o k esta a ler.... LOLOL

vou ficar a espera pelo proximo (nao fico a espera pk vais dizer kd sair o proximo post :P lol )

Martinha disse...

O texto está interessante.
Relata fundamentalmente um episódio da vida de uma pessoa que atrás de encontros e desencontros lá vai vivendo os seus dias.
Espero então pelo próximo.

Beijinho Hugo *

kapuxa disse...

Eu n sabia..mas descobri sr. Bruno =D

beijinho * (atenção..comentei!)