quinta-feira, 8 de março de 2007

..que condene também o crédito à habitação..


A propósito de um artigo da revista VISÃO (nº 731 8 Março 2007) decidi escrever-Te sobre tantas pessoas que não têm coragem de conversar com os pais e amigos(?) sobre como eles são: homo ou bissexuais.


O coming out, ou o chamado sair do armário, é, na vida de um LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e trangéneros), um momento de grande dificuldade, nomeadamente em relação à família. Se contar a um amigo que se é homo ou bissexual é delicado no que toca à reacção dos pais o assunto ainda se torna mais complicado.


O F., bissexual (assumido em relação aos amigos: “sim aqueles que realmente são meus amigos sabem”), a viver uma experiência nova (um amor homossexual), resolveu sondar a família sobre este assunto.


“A meio de uma conversa sobre um qualquer famoso assumidamente homossexual surgiu o tema da bissexualidade, que apressadamente defini como um intermédio entre homo e heterossexualidade. Sim, porque me vejo como algo preso ali no meio: não tenho coragem para me assumir como homossexual, mas também não estou preparado para não imaginar um futuro heterossexual.


Os meus pais evidenciaram, pelo desenrolar da conversa, que não aprovavam tais comportamentos – tanto homossexuais como bissexuais –, ao que eu na minha calma, até porque não lhes queriam mostrar que me importava muito com o assunto, que, se calhar, se fosse comigo que reagiriam de modo diferente. SURPRESA. Os meus pais, adoptaram uma figura séria e disseram que me punham fora de casa.


Ainda não consegui digerir esta conversa.”


O que me preocupa no meio disto tudo é a passividade, o "deixa andar" e a hipocrisia de políticos e lideres dos mais diversos grupos, que com receios de serem apelidados de "gay-friendly" (o que só lhes ficaria bem) ou com medo de serem acusados de gays, não mudam a situação do país...




Já agora vale a pena pensar nisto… Até porque temos um pensamento muito pouco rosa choque! Preto?








"A minha tenacidade argumentativa levou vários padres a ficarem-se, perplexos, pela aporia de repetirem 'vem na Bíblia, filho, vem em São Paulo', ao que eu tentava responder 'sim, mas na Bíblia a usura também é pecado: se a Igreja não condena a banca e a alta finança e se o próprio Vaticano tem um banco, não tem nada que condenar o sexo entre dois homens. Ou então que condene também o crédito à habitação'."

Frederico Lourenço
in Amar não acaba

2 comentários:

Bruno disse...

ainda vou a meio do artigo.. mas´é interessante e abre perspectivas a certas coisas..

e como dix no artigo:

'numa familia homofóbica até pode ser melhor nada contar.'




após o Sr. F. ter 'rondado' a sua familia.. se calhar a opçao a tomar será mm essa! nao??

Anónimo disse...

O VOSSO PROBLEMA LGBT'S É QUE SÃO TODOS UNS GRANDES CHATOS QUE GOSTAM DE POSTAR LAMECHICES, E DE AFIRMAR QUE ESTÃO A MORRER DE AMOR, O VOSSO MAL NÃO É A ORIENTAÇÃO SEXUAL DE CADA UM QUE PARA MIM ME DÁ IGUAL, PERFEITAMENE IGUAL, VOCÊS SÓ ME ENERVAM PORQUE SÃO CHATOOOOOOOOOOOOS!!!!!!!!!!