domingo, 17 de junho de 2007

Desejos e Ensejos - Cap. IV - Não fizeram as malas.

Se ontem Gabriel sentia euforia(?) depois da conversa com Gonçalo, hoje sentia-se triste, ao deitar…




Tomé agarrou Gabriel pela mão e saíram do quarto a correr atravessando os longos corredor, passando pelo porteiro sem sequer se desviarem da empregada que depois de almoço fazia a limpeza enquanto apressadas as pessoas saíam para trabalhar depois de um rápido almoço. Corriam em direcção ao jardim da cidade, as flores amarelas para eles sorriam, e eles nem notavam. Pararam. Tomé largou, finalmente, a mão de Gabriel para o agarrar e se deleitar na volúpia de um doce e longo beijo. Gabriel percebeu: Não era ciúmes que Gonçalo sentia, era a confiança traída. Era o seco golpe na amizade que os unia. Sabia agora que não podia deixar Gonçalo vir busca-lo a Roma. Não seria capaz de lidar com a situação em frente a Tomé. Seria incapaz de lhe dizer o que havia sentido naquele telefonema. Tinha que lhe dizer… Mas não ia interromper o bom beijo de Tomé. Queria Tomé até ao fim das suas forças. Abraçá-lo, beijá-lo, fazer amor com ele, como tinham feito todas as noites desde que se casaram. Possuí-lo. Como faria nessa noite ao deitar se Gabriel não se sentisse amargurado com o que estava a fazer a Tomé. Sentou-se, levantou a almofada, acendeu a luz, beijou Tomé e pediu-lhe para o ouvir.


– Não posso, amor, não posso perder-te… – Abanou a cabeça e tapou a boca a Tomé com o dedo indicador. – Não fales, escuta-me antes. Liguei ao Gonçalo ontem por causa da editora. Daqui a três dias o Gonçalo viria até Roma e iríamos os três para Portugal. Não quero. Achei que ele tinha feito uma cena de ciúmes quando lhe disse que tínhamos casado, mas não… – Parou. – Era uma amizade ferida. Um amigo magoado. Peço-te que me compreendas a satisfação do reencontro e que me perdoes a alacridade com que estava disposto a recebe-lo em meus braços. Amo-te Tomé. Agarra-me, não me deixes fugir. Une-nos mais que estas alianças que trocamos.

Tomé chorava, olhava Gabriel nos olhos sem palavras para verbalizar o que sentia:

– Amo-te, não era capaz de te deixar ir Anjo meu. – Beijou-o e entregou corpo e alma a Gabriel.
















– LibrusNovus, bom dia. – Dizia a suave voz do outro lado da linha.

– Bom dia, Clara, tudo bem? Fala Gabriel Sacadura. Duas coisas: Confirmar os voos de sexta-feira e falar com Gonçalo Neves.

– Olá Sr. Dr., como está? Podia dizer-me os nomes que constam nos bilhetes?

– Gabriel e Tomé Sacadura.

– Ai que giro. O seu colega tem o mesmo apelido que o Sr. Dr. – Dizia Clara enquanto ao teclado verificava o pagamento dos bilhetes.

– Clara, Gabriel chega perfeitamente. E não… não é meu colega. É o meu marido.


O silêncio de Claro espelhava a sua espantada palidez:

– Sim, claro, perdão. Os bilhetes estão pagos. Os comprovativos de reserva estão já com a sua assistente. Quer então que transfira a chamada para o Dr. Gonçalo?

– Sim, muito obrigado.

A Quinta Sinfonia de Beethoven mal chegou a soar e já se ouvia Gonçalo:

– Olá Gabriel. Passa-se alguma coisa? Costumas ligar directamente para a minha linha.

– Confirmar os bilhetes para sexta-feira. Desculpa. Não venhas. Não seria capa

z de te dizer como te interpretei mal, não seria capaz de trair assim o Tomé. Falamos ai.

– Claro que sim. Não te preocupes.




Despediram-se e desligaram como se nada fosse. Gabriel mais aliviado, Gonçalo ainda sem acreditar que gostamos de ser amados mesmo que não tenhamos o mesmo tipo de sentimentos por essa pessoa. E isto aprendeu Gabriel com a Inês. “Obrigado”, pensa ele enquanto conduz até casa para ir fazer as malas. Partiriam dentro de dois dias e já não voltaria aos escritórios de Roma antes da viagem. O avião faria voo directo até ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro.


Entrou em casa. Tomé saíra do banho. Fizeram amor. Não fizeram as malas.

6 comentários:

pedropina disse...

Uma das pessoas que tu admiras sou eu?.....

obrigado!!!!

Felipe Nunes disse...

Quando me lembrei do Peter Pan foi por tua causa, sim... embora a minha admiração pelo Pan tenha a ver com a capacidade de voar ao pensar em coisas boas... os pozinhos mágicos são um truque para os mais incrédulos.
E comentar o texto não? lol

O que te vai na alma!! disse...

Acabei de falar ctg e disses-t k tinhas publicado a continuaçao da historia, tinhas outros planos pra continuaçao.. mas ficast por aqui...

achei um bocado confuso ao inicio mas deu pra entender..

abraço

Anónimo disse...

eu adorote sabias?? parece k adivinhas a minha historia tb! és um amigo espectacular.. capaz de fazer tudo para me ver bem.. eu morria por ti! e olha k á poucas pessoas k merecem esse titulo..

eu ando a viver uma historia parecida.. nao puder assumir o k sinto por uma pessoa por causa dos outros..( claro k neste caso eles assumiram mas viveram muito coisa por isso).
e quando ele entra por minha casa a dentro alegre a beijarme e a olhar para mim e dizer: "eu amo-te.. muito!" e eu fikar sem palavras a olhar para ele com uma lágrima no canto do olho..
passar por todos os cantos em k tivemos juntos.. passar por esses sitios onde fizemos tanta coisa, em que demonstramos tanto amor.. e nao puder gritar ao mundo a dizer k akele sitio é sagrado!
ter k fingir k nem conhecemos tal sitio enquanto na verdade akele sitio é a coisa mais sagrada para nos..
fico triste quando tal tem k acontecer.. e ler este capitulo da historia trouxeme á cabeça grandes coisas.. momentos parecidos.. situaçoes semelhantes.. e por isso é k nao podemos dizer a ninguem! iam-nos julgar.. como se fossemos bichos k nao pertencem a este mundo so pk seguimos o nosso coraçao! ( hugo tu sabes no que é k isto se encaixa)
sem mais nada a dizer despeço-me com uma unica frase: sigam o vosso coraçao por muito k as consequencias vos façam sofrer porque tudo de bom k aconteça supera todo o sofrimento k possam vir a ter por isso..

Martinha disse...

Mais um textinho muito bem escrito, e com uma mensagem que fica cá dentro.
Gostei Hugo. Gostei mesmo ^^
Desculpa a minha ausência, os motivos têm sido de força maior.

Beijo grande *

beleza de mulher disse...

ei là o que é isto grande amor hummmm!!!