terça-feira, 4 de novembro de 2008






Sentei-me a ouvir música e a escrever-Te uma carta:


Olá,


Sabes, ainda que, por vezes, não transpareça sou demais envergonhado, mesmo até desajeitado. Hás coisas que em custam dizer(-Te). Quem me dera soubesses o que tenho passado. Não me ligas nenhuma e são vários os sinais que te deixo. Aqui estou! Uma carta… e eu a ver o tempo que passa sem tempo para falar…


Podia inventar-te frases bonitas, podia dar-te muita coisa. Ensinaram-me uma frase bonita ontem… mas não me lembro… fica a carta. Um gosto de Ti!


Espero o dia inteiro que a noite chegue e Tu chegues também. Espero o dia inteiro para Te falar, mas… na hora da verdade, o sono falta-me e Tu… nada!


E eu, cada vez a tremer mais, escrevo-Te qualquer coisa. Depois dizes-Te pressionado e eu calo-me, falta-me o à vontade para Te falar. Escrevo e rasgo, escrevo e apago, e depois nem uma mensagem Te envio. Acabo por em calar.


Deixo-te hoje um gosto-de-Ti, e pronto!







.

5 comentários:

Sandra Daniela disse...

Ás vezes, a vontade de expremir os nossos sentimentos é tanta... São tantas as coisas que temos para dizer e por ironia, faltam-nos as palavras... mas pequenas grande frases como "gosto de ti" já dizem tantos, quando exprimidas com sinceridade!

Bonito texto!
beijinho com carinho

lyly disse...

Quantas vezes escrevemos essa mensagem... e a apagamos sem coragem de a enviar...

pedropina disse...

tao bonito o k escreveste, as vezes um simples gosto de ti xega! tenta dizer-lhe nos olhos! kem sabe tenhas uma boa surpresa!

Sally Vengeance. disse...

que bonito =)
adoro o blogue, as cores e a imagem la em cima ^^

Emanuel disse...

a simplicidade das palavras que escreves, é bela...logo o Gosto de Ti vale por muito:-D